Qual seu Estado ? Cidade:

CIDADE - ESTADO

Pesquisa Cientifica Estuda Os Efeitos Da Lama Da Samarco Nos Animais Rio Doce E Mar No Es


Fonte: g1.globo.com/es/espirito-santo/noticia/2018/10/11/pesquisa-cientifica-estuda-os-efeitos-da-lama-da-samarco-nos-animais-rio-doce-e-mar-no-es.ghtml

Pesquisa científica estuda os efeitos da lama da Samarco nos animais, Rio Doce e mar no ES | Espírito Santo | G1 G1 Espírito Santo Pesquisa científica estuda os efeitos da lama da Samarco nos animais, Rio Doce e mar no ES Estudo envolve 500 pesquisadores de 24 universidades do país. A Renova, fundação criada para reparar os danos do desastre ambiental, repassou R$ 120 milhões para a pesquisa. Por Mário Bonela, TV Gazeta 11/10/2018 20h52 Atualizado 2018-10-11T23:57:26.125Z Reprodução/TV Gazeta O efeitos da lama da barragem da Samarco no Espírito Santo estão sendo objeto de uma pesquisa científica que envolve 500 pesquisadores de 24 universidades do país. É a maior pesquisa que já foi realizada para saber de que forma os metais impactaram o meio ambiente. Esta é a primeira fase e a cada seis meses os resultados serão divulgados. A coordenação da "Rede Rio Doce Mar" é da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). A Renova, fundação criada para reparar os danos do desastre ambiental, repassou R$ 120 milhões para a pesquisa. A coleta de materiais é feita no Rio Doce, no mar, na areia e na praia. Tudo é coletado. Quando a maré está mais seca, os pesquisadores procuram rastros de animais minúsculos, como poliquetas e anfípodas, para saber como está a vida animal nesses locais mesmo com a contaminação. Pesquisadores coletando animais minúsculos na areia da Praia de Regência, em Linhares — Foto: Rafael Zambe/TV Gazeta A química e doutora em oceanografia Patrícia Gomes Costa explicou que até mesmo a profundidade dos buracos feitos na areia pelos caranguejos guruçá, para analisar até que profundidade chegou a contaminação. "A praia é o ambiente em que as pessoas têm mais contato. Então fazendo análise na areia da praia e nos seres que vivem na areia, a gente pode extrapolar para o que está sendo transferido para o ser humano", explicou a pesquisadora. Outra expedição percorre todo o trecho do Rio Doce no Espírito Santo de barco e peixes são capturados. "São 10 pontos de monitoramento. Em cada local, nós pegamos quatro espécies e seis indivíduos de cada espécie", disse o doutor em Ciências Biológicas Carlos Eduardo Vieira. Depois que o barco chega ao cais, o trabalho não para. Mantendo os animais ainda vivos, os pesquisadores montam um laboratório a céu aberto e começam a examinar os peixes, retirando amostras de sangue, fígado e principalmente a carne dos peixes. Ainda é um dos grandes questionamentos a qualidade desses animais que vivem no Rio Doce para a alimentação. Sangue e carne de peixes são analisados para saber os níveis de contaminação — Foto: Rafael Zambe/TV Gazeta "A carne que é consumida. Por essa questão relacionada com a saúde, com a preocupação da saúde da população. Não só a qualidade do ambiente, mas como que isso pode trazer algum tipo de efeito pra população", explicou Carlos Eduardo. Também há expedições, no mar e no mangue. Até pássaros são estudados. "Eu acho que para a sociedade é a melhor forma de isso chegar como uma resposta porque é a universidade que está executando e não é uma universidade é um grupo de universidades. E o que a gente pode deixar claro é que o dado vai ter credibilidade e vai ser realizado de forma transparente também", explicou o geólogo Alex Bastos. Assista à versão da reportagem exibida no Jornal Nacional: Pesquisadores fazem levantamento das consequências da lama de Mariana no ES MAIS DO G1 Relatos de abuso sexual40 mulheres denunciam João de Deus ao MP de Goiás em 7 horasHá 8 horas Cidade Abusos, manipulação, ameaças: as denúncias contra o médiumHá 7 horas Goiás 11 de dezembro, terça-feiraO que você precisa saber para começar o dia bem-informadoG1 reúne os principais assuntos de hoje.Há 2 horas Agenda do dia Cerimônia no TSEBolsonaro é diplomado e promete governar para todosPresidente eleito disse que não fará distinção de 'origem, raça, sexo, cor ou religião'.Há 11 horas G1 AnáliseValdo Cruz: Rosa Weber manda recado e prega tolerânciaHá 8 horas Jornal GloboNews Edição das 16h Política externaBrasil não estará em pacto da ONU para migração, diz futuro ministroAcordo foi assinado ontem por cerca de 160 países.Há 6 horas Política Temer diz que 'tranquilizou' líderes do Brics sobre BolsonaroPresidente concedeu entrevista à GloboNews.Há 4 horas Política Meio ambienteFuturo ministro questiona dados do desmatamento no BrasilRicardo Salles diz à CBN que informações genéricas não revelam se ação é 'ilegal'. Há 11 horas Natureza Entrevista à GloboNewsResultados da Lava Jato seriam 'bem menores' sem delações, diz FachinRelator no STF fez balanço dos 2 anos da operação. Há 5 horas Política Impasse no JudiciárioCNJ arquiva processo que apurava guerra de decisões sobre LulaCorregedor não viu indícios de desvios por Rogério Favreto, do TRF, e Sérgio Moro.Há 7 horas Política Veja mais G1 Últimas Notícias © Copyright 2000-2018 Globo Comunicação e Participações S.A.
... ++ Mais

TAGS:

Pesquisa científica estuda efeitos lama Samarco animais Doce Espírito Santo Espírito Santo Pesquisa científica estuda efeitos lama Samarco animais Doce Estudo envolve pesquisadores universidades país. Renova fundação criada para reparar danos desastre ambiental repassou milhões para pesquisa. Mário Bonela Gazeta 11/10/2018 20h52 Atualizado 2018-10-11T23:57:26.125Z Reprodução/TV Gazeta efeitos lama barragem Samarco Espírito Santo estão sendo objeto pesquisa científica envolve pesquisadores universidades país. maior pesquisa realizada para saber forma metais impactaram meio ambiente. Esta primeira fase cada seis meses resultados serão divulgados. coordenação "Rede Doce Mar" Universidade Federal Espírito Santo (Ufes). Renova fundação criada para reparar danos desastre ambiental repassou milhões para pesquisa. coleta materiais feita Doce areia praia. Tudo coletado. Quando maré está mais seca pesquisadores procuram rastros animais minúsculos como poliquetas anfípodas para saber como está vida animal nesses locais mesmo contaminação. Pesquisadores coletando animais minúsculos areia Praia Regência Linhares Foto: Rafael Zambe/TV Gazeta química doutora oceanografia Patrícia Gomes Costa explicou até mesmo profundidade buracos feitos arei

HTML Box Comentário está carregando comentários ...