Qual seu Estado ? Cidade:

CIDADE - ESTADO

Pesquisa Cientifica Estuda Os Efeitos Da Lama Da Samarco Nos Animais Rio Doce E Mar No Es


Fonte: g1.globo.com/es/espirito-santo/noticia/2018/10/11/pesquisa-cientifica-estuda-os-efeitos-da-lama-da-samarco-nos-animais-rio-doce-e-mar-no-es.ghtml

Pesquisa científica estuda os efeitos da lama da Samarco nos animais, Rio Doce e mar no ES | Espírito Santo | G1 G1 Espírito Santo Pesquisa científica estuda os efeitos da lama da Samarco nos animais, Rio Doce e mar no ES Estudo envolve 500 pesquisadores de 24 universidades do país. A Renova, fundação criada para reparar os danos do desastre ambiental, repassou R$ 120 milhões para a pesquisa. Por Mário Bonela, TV Gazeta 11/10/2018 20h52 Atualizado 2018-10-11T23:57:26.125Z Reprodução/TV Gazeta O efeitos da lama da barragem da Samarco no Espírito Santo estão sendo objeto de uma pesquisa científica que envolve 500 pesquisadores de 24 universidades do país. É a maior pesquisa que já foi realizada para saber de que forma os metais impactaram o meio ambiente. Esta é a primeira fase e a cada seis meses os resultados serão divulgados. A coordenação da "Rede Rio Doce Mar" é da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). A Renova, fundação criada para reparar os danos do desastre ambiental, repassou R$ 120 milhões para a pesquisa. A coleta de materiais é feita no Rio Doce, no mar, na areia e na praia. Tudo é coletado. Quando a maré está mais seca, os pesquisadores procuram rastros de animais minúsculos, como poliquetas e anfípodas, para saber como está a vida animal nesses locais mesmo com a contaminação. Pesquisadores coletando animais minúsculos na areia da Praia de Regência, em Linhares — Foto: Rafael Zambe/TV Gazeta A química e doutora em oceanografia Patrícia Gomes Costa explicou que até mesmo a profundidade dos buracos feitos na areia pelos caranguejos guruçá, para analisar até que profundidade chegou a contaminação. "A praia é o ambiente em que as pessoas têm mais contato. Então fazendo análise na areia da praia e nos seres que vivem na areia, a gente pode extrapolar para o que está sendo transferido para o ser humano", explicou a pesquisadora. Outra expedição percorre todo o trecho do Rio Doce no Espírito Santo de barco e peixes são capturados. "São 10 pontos de monitoramento. Em cada local, nós pegamos quatro espécies e seis indivíduos de cada espécie", disse o doutor em Ciências Biológicas Carlos Eduardo Vieira. Depois que o barco chega ao cais, o trabalho não para. Mantendo os animais ainda vivos, os pesquisadores montam um laboratório a céu aberto e começam a examinar os peixes, retirando amostras de sangue, fígado e principalmente a carne dos peixes. Ainda é um dos grandes questionamentos a qualidade desses animais que vivem no Rio Doce para a alimentação. Sangue e carne de peixes são analisados para saber os níveis de contaminação — Foto: Rafael Zambe/TV Gazeta "A carne que é consumida. Por essa questão relacionada com a saúde, com a preocupação da saúde da população. Não só a qualidade do ambiente, mas como que isso pode trazer algum tipo de efeito pra população", explicou Carlos Eduardo. Também há expedições, no mar e no mangue. Até pássaros são estudados. "Eu acho que para a sociedade é a melhor forma de isso chegar como uma resposta porque é a universidade que está executando e não é uma universidade é um grupo de universidades. E o que a gente pode deixar claro é que o dado vai ter credibilidade e vai ser realizado de forma transparente também", explicou o geólogo Alex Bastos. Assista à versão da reportagem exibida no Jornal Nacional: Pesquisadores fazem levantamento das consequências da lama de Mariana no ES MAIS DO G1 Operação prende 15 suspeitos e apreende aeronaves usadas por traficantesQuadrilha é investigada por levar drogas da América do Sul para EUA e Europa.Há 3 horas Tocantins Vereadora assassinada no RJPF faz buscas em investigação sobre a morte de Marielle e AndersonOperação apura suposta tentativa de dificultar apuração do caso.Há 1 hora Rio de Janeiro Reforma da PrevidênciaVeja PONTO A PONTO o que pode mudar na sua aposentadoriaHá 2 horas Economia Professor, policial e trabalhador rural têm regras específicas; veja exemplosHá 2 horas Economia G1 entrevistaEspecialista tira dúvidas sobre proposta de reforma; assistaHá 2 horas Economia AnáliseGUROVITZ: Proposta de Bolsonaro não é a melhor, mas é a possívelHá 2 horas Blog do Helio Gurovitz EconomiaPrévia da inflação fica em 0,34%, a menor para fevereiro desde 1994Em 12 meses, variação foi de 3,73%; acumulado de 2019 ficou em 0,64%.Há 34 minutos Economia São Bernardo do CampoAnúncio de fim da fábrica da Ford no ABC já afeta comércio vizinhoHá 4 horas São Paulo Ex-presidente presoFachin rejeita mais um pedido de liberdade feito por LulaDefesa argumentou que recurso apresentado ao STJ deveria ter sido analisado pelo colegiado, e não por um só ministro.Há 5 minutos Política Tragédia em DacaIncêndio em prédios mata 70 pessoas e fere 55 em BangladeshFogo começou em edifício que armazenava produtos químicos e atingiu outros imóveis.Há 6 horas Mundo Veja mais G1 Últimas Notícias © Copyright 2000-2019 Globo Comunicação e Participações S.A.
... ++ Mais

TAGS:

Pesquisa científica estuda efeitos lama Samarco animais Doce Espírito Santo Espírito Santo Pesquisa científica estuda efeitos lama Samarco animais Doce Estudo envolve pesquisadores universidades país. Renova fundação criada para reparar danos desastre ambiental repassou milhões para pesquisa. Mário Bonela Gazeta 11/10/2018 20h52 Atualizado 2018-10-11T23:57:26.125Z Reprodução/TV Gazeta efeitos lama barragem Samarco Espírito Santo estão sendo objeto pesquisa científica envolve pesquisadores universidades país. maior pesquisa realizada para saber forma metais impactaram meio ambiente. Esta primeira fase cada seis meses resultados serão divulgados. coordenação "Rede Doce Mar" Universidade Federal Espírito Santo (Ufes). Renova fundação criada para reparar danos desastre ambiental repassou milhões para pesquisa. coleta materiais feita Doce areia praia. Tudo coletado. Quando maré está mais seca pesquisadores procuram rastros animais minúsculos como poliquetas anfípodas para saber como está vida animal nesses locais mesmo contaminação. Pesquisadores coletando animais minúsculos areia Praia Regência Linhares Foto: Rafael Zambe/TV Gazeta química doutora oceanografia Patrícia Gomes Costa explicou até mesmo profundidade buracos feitos

HTML Box Comentário está carregando comentários ...