Qual seu Estado ? Cidade:

CIDADE - ESTADO

Compras Pela Internet So Se Nao For Artigo De Luxo


Fonte: oglobo.globo.com/economia/compras-pela-internet-so-se-nao-for-artigo-de-luxo-22159725

Compras pela internet, só se não for artigo de luxo - Jornal O Globo Home menu Economia Economia Ir para a página Assuntos em Destaque Temer diz que reforma da Previdência ‘vai muito bem’ Parcela de pensionistas e aposentados dispara, e Previdência já sustenta 14,2% da população Publicidade Em destaque Compras pela internet, só se não for artigo de luxo Decisão foi tomada pela Corte de Justiça da Europa para preservar imagem de exclusividade dos artigos por AP 06/12/2017 21:31 / Atualizado 07/12/2017 12:41 EL exclusivo / linha de maquiagem do estilista Marc Jacobs chega ao Brasil - Divulgação Publicidade BRUXELAS - Os fabricantes de artigos de luxo podem se negar a vender seus produtos em empresas de internet, como a Amazon, com o objetivo de preservar sua exclusividade, segundo determinação da Corte de Justiça da Europa. O tribunal decidiu a favor da filial alemã da empresa de cosméticos Coty, proprietária da Kalvin Klein e Marc Jacobs, que pediu para não vender seus produtos em plataformas on-line. Segundo o tribunal, o pedido da Coty “é apropriado para preservar a imagem de exclusividade desses produtos” e “não parece ir mais além do que o necessário”. A empresa pediu para que não permitisse que um distribuidor autorizado venda os artigos na Amazon.De, em um caso pendente no tribunal de Frankfurt, que, por sua vez, solicitou a opinião dos juízes da UE. Segundo a Associação de Indústrias da Computação e Comunicações, a decisão “prejudicará os consumidores, que agora terão menos alternativas e concorrência quando quiserem comprar algo on-line”. A agência antimonopólio da Alemanha disse que está examinando a decisão do tribunal da UE, mas que o mais provável é que esta tenha um efeito limitado em sua decisão. Segundo o diretor Andreas Mundt, o tribunal em Luxemburgo “ao que parece fez um grande esforço para limitar sua decisão aos produtos considerados de prestígio, nos quais a aura de exclusividade faz parte do próprio produto em si”. - Os fabricantes de produtos que não são considerados de luxo não têm carta branca para impedir que seus distribuidores usem determinadas plataformas de venda, em nossa opinião - disse Mundt. Publicidade Anterior Câmara aprova alívio de pelo menos R$ 7 bi para devedores rurais Próxima Em maratona de votações, governo aprova série de projetos de interesse da base aliada Newsletter As principais notícias do dia no seu e-mail. Receber Já recebe a newsletter diária? Veja mais opções. Digite as letras da imagem: Receber TROCAR IMAGEM Quase pronto... Acesse sua caixa de e-mail e confirme sua inscrição para começar a receber nossa newsletter. Ocorreu um erro.Tente novamente mais tarde. Email inválido. {{mensagemErro}} Últimas de Economia Especial Publicitário Prev Next Em destaque agora no Globo Mais lidas O conteúdo do Globo é exclusivo para assinantes. Porém, você é nosso convidado para ler 20 matérias a cada 30 dias no site. Tenha acesso ilimitado Assine agora Já é assinante? faça login Versão Mobile Voltar ao topo © 1996 - 2017. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.
... ++ Mais

TAGS:

Compras pela internet não artigo luxo Jornal Globo Home menu Economia Economia para página Assuntos Destaque Temer reforma Previdência ‘vai muito bem’ Parcela pensionistas aposentados dispara Previdência sustenta 142% população Publicidade destaque Compras pela internet não artigo luxo Decisão tomada pela Corte Justiça Europa para preservar imagem exclusividade artigos 06/12/2017 21:31 Atualizado 07/12/2017 12:41 exclusivo linha maquiagem estilista Marc Jacobs chega Brasil Divulgação Publicidade BRUXELAS fabricantes artigos luxo podem negar vender seus produtos empresas internet como Amazon objetivo preservar exclusividade segundo determinação Corte Justiça Europa. tribunal decidiu favor filial alemã empresa cosméticos Coty proprietária Kalvin Klein Marc Jacobs pediu para não vender seus produtos plataformas on-line. Segundo tribunal pedido Coty “é apropriado para preservar imagem exclusividade desses produtos” “não parece mais além necessário”. empresa pediu para não permitisse distribuidor autorizado venda artigos Amazon.De caso pendente tribunal Frankfurt solicitou opinião juízes Segundo Associação Indústrias Computação Comunicações decisão “prejudicará consumidores agora terão menos alternativas concorrência

HTML Box Comentário está carregando comentários ...